Quem?

04/07/2017
Postado por Denis Araujo

Arrasto os dedos nos lençóis vazios ao meu lado enquanto sinto sua falta. Esfrego o rosto no travesseiro tentando te esquecer, na inútil tentativa de tentar te esquecer. Mas não consigo. Porque você é assim, inesquecível. Porque enquanto você ainda está aqui, trato de aproveitar cada segundo que existe em mim. Porque enquanto ainda estamos aqui, trato de aproveitar cada minuto do que existe em nós.

Mas quem é você que me beija a boca, me olha nos olhos e rasga meu peito de saudade? Por que teu gosto ainda está em mim? Era mais fácil me esquecer dos sabores daquelas que já provei. Mas o teu ainda está aqui, me iluminando o céu com sonhos inteiros. Antes, nada me prendia. Agora, me amarro no teu riso como dois e dois são quatro. E é fácil rir com você, de você, de mim, de nós dois e como tudo isso parece uma loucura!

O que você faz? Qual é a sua mágica? E por que não te tiro da mente enquanto olho pra essa mesa de café da manhã recém tomado? E por que não esqueço que ao lado dessa mesa nós fomos, em cima do sofá nós existimos e que morremos um no outro no chuveiro hoje cedo? Vai ver é isso que chamam de paixão. Vai ver eu te amo e nem sei explicar.

Vai ver isso é amor. Quem é você que me beija a boca, me molha a roupa, me morde com afago e me faz tremer? Como ousa entrar assim na minha vida, bagunçar meus talheres, encher minhas taças e me fazer gozar desse jeito?

Enquanto olho pro travesseiro vazio ao lado, penso que ele poderia estar cheio de você enquanto te olho dormir. E hoje, só hoje, vou me permitir sentir mais do que talvez devesse. E não, não é errado. Errado é não sentir e isso não quero pra mim. Prefiro sempre a dor de tentar à dor de não saber como seria.

E agora que te provei, quero que fique um pouco mais. Não porque dependo disso. Mas quero me autorizar a precisar de ti neste momento. Você tem carta branca nesse meu coração e ainda que ele seja cheio de muros altos e espinhos, te permito bater mais uma vez.

Hoje você pode ir, mas será que poderia voltar mais tarde? Vou deixar a porta aberta.

Os textos deste site pertencem exclusivamente aos seus autores e estão protegidos por copyright. É proibida a cópia integral ou parcial do seu conteúdo, sem a autorização prévia do autor, mesmo que citando a fonte.

Deixe seu comentário: