PRÉ-VENDA + meus 12 trechos preferidos do livro

10/06/2016
Postado por Marina Barbieri

cb475743-f85a-4365-a371-ad146d9a74f9

Depois de muito trabalho, muitas madrugadas acordadas escrevendo, muitos e-mails lotando a caixa da minha editora, muitos choros e gritos de “eu não consigo” (como sou besta!), muita indecisão na criação da capa perfeita, e muita ansiedade em ver o feedback das minhas leitoras e leitores (esse ainda continua), finalmente o livro entrou oficialmente em sua pré-venda.

Isso significa que você lerá o livro antes de todo mundo! E ainda vai garantir a sua cópia autografada e com 20% de desconto.

Mas corre porque a pré-venda tem cópias limitadíssimas.

Clique aqui para comprar o livro


E se você for de São Paulo ou Rio de Janeiro, venha me encontrar nos eventos de lançamento do livro:

(SP) Dia 20 de Julho | a partir das 19 horas | Livraria Cultura do Conjunto Nacional
(RJ) Dia 26 de Julho | a partir das 19 horas | Livraria Saraiva no Shopping Rio Sul

Marque na agenda! Você tem um encontro comigo!


E como sou uma mãe orgulhosa que não vê a hora de mostrar o seu filho ao mundo, aqui vai um spoiler dos meus 12 trechos preferidos do livro:

1
“O cinema nos ensinou que o papel da mulher na relação é o de submissa que perdoa incondicionalmente qualquer ato absurdo do parceiro, e que o do homem é ser quão inconsequente e irresponsável quiser, pois tudo pode ser resolvido com um simples “eu te amo”.
Foi assim que crescemos. Não espanta que mesmo inconscientemente temos atitudes que nos remetem aos exemplos de relacionamento que tivemos. Inventamos desculpas para as atitudes ruins dos homens como se fossem normais. Aceitamos ser tratadas mal com a esperança de que no final de nosso filme o mocinho também perceba que nos ama e resolva agir corretamente.”
(pág. 15)

2
“Ter sido rejeitada por um cara não significa que você não seja interessante. Não foi para ele, mas ele é um só em um mundo com milhões de outros homens que a acharão interessante para [email protected]*al#o. Não deixe sua autoestima descer nem um degrau apenas por causa de um carinha que, quando sua paixão passar, você vai perceber que nem era lá grandes coisas assim.”
(pág.45)

3
“Química é difícil. Alcançar as notas que a Mariah Carey alcança é difícil. Vestir uma calça 36 depois da puberdade é difícil. Ser mãe solteira é difícil. Sobreviver com um salário mínimo no Brasil é difícil. Existe uma lista interminável de coisas difíceis, mas, sem dúvida nenhuma, terminar um relacionamento não está entre elas.”
(pág.25)

4
“Nossa relação era baseada em um jogo no qual eu estava sempre perdendo.
Se em um minuto eu achava que ele estava na minha, que sentia algo por mim, que alguma demonstração de carinho significava algo mais profundo, que algum choro era verdadeiro, no minuto seguinte ele me mostrava que eu estava enganada. Eu não era nada para ele. Aliás, eu era sim. Para ele, eu era a brincadeira mais divertida do momento. E mais nada.”
(pág.31)

5
“Se exigimos respeito de qualquer pessoa em nossa vida, desde as mais íntimas até ao cara que senta ao nosso lado no ônibus, porque consideramos normal sermos tratadas como lixo por alguém que dorme em nossa cama e beija nossa boca?”
(pág. 36)

6
“Não tem jeito. Amar alguém é se abrir para que essa pessoa tenha acesso aos detalhes mais íntimos que escondemos lá no fundo. É ser vulnerável. E, quando estamos vulneráveis, estamos passíveis a danos. E vez ou outra descobrimos que nos abrimos para a pessoa errada e que essa pessoa entrou em nossa casa, bagunçou tudo lá dentro e foi embora, deixando-nos com as duas tarefas mais difíceis da fossa: organizar e compreender.
E tudo isso sozinha.”
(pág. 44)

7
“Um cara que nitidamente não te apoia a evoluir e ir para a frente não está preocupado com você, como ele supostamente alega. Ele está é com medo de que você não dependa dele, de que você não precise se submeter a ele e de que você seja mais bem-sucedida do que ele.
Ele está preocupado é com ele mesmo.”
(pág. 84)

8
“Não existe ciúme saudável. Saudável mesmo é a confiança, a individualidade, a amizade, a compreensão, o respeito. O abuso não. Ele nunca é saudável.”
(pág. 117)

9
“A gente sempre acha que tem ótimo feeling, sexto sentido aguçado e astúcia além do normal para perceber as intenções das pessoas, mas não temos. A verdade é que a gente se engana toda hora. Nós nos achamos espertas demais, mas, quando damos de cara com uma pessoa realmente mal-intencionada, todo o preparo que achávamos que tínhamos, vai por água abaixo.
Quando uma pessoa é mestra na arte de fingir, ela engana até quem jura ter o santo mais forte.”
(pág. 139)

10
“Esse cara não foi um namorado. Na verdade, ele nem sequer foi um só cara. Foram muitos. Foram todos os caras que já me enrolaram. Foram todos os caras que não passaram de rolinhos passageiros com potenciais desperdiçados. Foram todos os caras que inventaram as desculpas mais incabíveis do mundo só pela covardia que neles transbordava. Foram muitos. Infelizmente mais do que eu gostaria. Felizmente, porém, o suficiente para eu aprender que na mão do interessado a dificuldade vira impulso. Já na mão do desinteressado, ela vira barreira.”
(pág. 150)

11
“A esperança é uma grandíssima f*[email protected] da p*@@, não é? Ela é, e realmente é a última a morrer. Mas vou te contar uma coisa: quando ela morre, não volta nunca mais. E não existe ligação, declaração ou arrependimento que resulte em uma reconciliação.”
(pág. 174)

12
“Escolha o amor, mas o amor real. Largue todo e qualquer amor falso, mentiroso, traidor e manipulador que estiver encostado em sua vida e alimente-se do amor mais verdadeiro que você poderá encontrar: o amor-próprio.”
(pág. 188)

 

Os textos deste site pertencem exclusivamente aos seus autores e estão protegidos por copyright. É proibida a cópia integral ou parcial do seu conteúdo, sem a autorização prévia do autor, mesmo que citando a fonte.

Deixe seu comentário: