[Divã DR] Vale a pena perdoar uma traição?

16/03/2015
Postado por Divã DR

traicao7382

Da caixa de e-mail do Deu Ruim:

“Completei 4 meses que conheci um rapaz exatamente neste domingo passado dia 08/03. Nos conhecemos de uma forma bem interessante mas não gostaria de entrar em detalhes(risos). Sabe quando você começa a cair, sua vida fica sem cor, sem sal, sem energia e começa a ser conduzida, empurrada como diria minha avó: “Vamos empurrando com a barriga!”. É exatamente isto que estava acontecendo. Estava abandonando a minha faculdade, abandonando os meus “amigos”, abandonando a minha família, desatento no trabalho e definhando, esquecendo-me. Foi onde apareceu esta pessoa em minha vida. Justamente no dia do meu aniversário, que por sinal foi uma grande decepção. Meus pais combinaram uma festinha surpresa e só um amigo apareceu. Nem alguns integrantes da minha família apareceram e justamente ele apareceu, considero como um presente de Deus na minha vida. Afinal de contas encontrar uma pessoa que te faz mudar da água para o vinho é extremamente acolhedor. Com o passar dos dias fomos conhecendo, entendendo e aceitando nossas condições, a distancia, nossas limitações financeiras, projetos já em andamento e enfim, começamos a conduzir um relacionamento aparentemente maduro! Conhecemos nossos familiares, pedido de namoro e tudo correndo da melhor forma possível. Mas na semana que antecedeu o carnaval eu descobri a traição e com ela o sentimento da tristeza, dor, magoa, raiva, ódio e arrependimento. Uma das coisas que mais fazíamos era conversar abertamente sobre o que sentíamos, sobre o que buscávamos, sobre as nossas escolhas, conquistas e era tudo tão forte, tão intenso, gostoso e ate hoje eu não entendo o porque. Esta dor ainda carrego, ainda me suga, tenho pesadelos, medos, fico inquieto. Não consigo mais acreditar que exista amor como existia antes desta traição. Mas ainda que surpreso e rancoroso eu consegui passar por cima desta traição, conversar, procurar entender, e acima de tudo seguir em frente. Mas é exatamente neste ponto, neste momento em que me pergunto: Sera que vou conseguir superar esta traição? Será que existe perdão? Será fácil encarar esta caminhada ao lado dele sabendo que existiu outro e principalmente pela forma que aconteceu, como aconteceu e o que esta la descrito? Eu posso afirmar que não esta sendo nada fácil, nada agradável passar os dias desconfiando das atitudes dele, sustentando-me nas hipóteses, nas questões, nos serás… Porque não falar a verdade já que ela doí menos? Pelo menos escutar da boca das pessoas que eu amo é mais fácil de se digerir. Porque não ser verdadeiro já que conversávamos tanto? Ando com esta sombra, este fantasma que me assombra, que me faz perder o chão, que me traz a tristeza para dentro do coração. Ando me perguntando se vou aguentar carregar esta traição e as duvidas que juntas estão.”


 Marina responde:

Ser traído por quem se ama chega a causar uma dor física. Dói o corpo todo. O coração, a cabeça, o estômago, tudo. Dói forte, e parece que nunca vai cessar. Você se pergunta o que mais era mentira, onde mais a pessoa te traiu e te enganou, o que mais ela dizia ser verdade quando era mentira. As juras de amor também eram mentira? E os planos? As risadas? Não existe maior inferno do que descobrir que se dormia ao lado do Judas.

Mas o lado bom de uma traição é o conhecimento que se ganha sobre si. Você descobre, sentindo na pele, o que você tolera e o que não tolera. É uma valiosa lição que você levará para o resto da vida e te ajudará para sempre em tomar decisões futuras no âmbito sentimental.

Só quem pode saber o que, para você, é passivo de perdão ou não, é você mesmo. Não é sua família, seus amigos, sua igreja, seus livros de auto ajuda, e nem mesmo esse blog. Você terá que descobrir sozinho se consegue verdadeiramente perdoar uma traição ou não. Digo verdadeiramente pois de nada adianta dizer que perdoou, se jogar na cara na primeira oportunidade. Ou viver paranoico achando que o outro a cada segundo o trai. Isso não é perdão. Não ache que continuar com ele é o seu perdão. Se você pensar assim, estará sendo traído de novo. Dessa vez por você mesmo.

Sei que não serei imparcial agora, mas deixe-me te contar o que aprendi com as minhas experiências pessoais sobre traição:

A fidelidade me é um ponto extremamente fundamental em todos os meus relacionamentos. Nas minhas amizades, exijo fidelidade. Nas minhas relações familiares, idem. E nas amorosas não é diferente. Se eu escolhi aquela pessoa e ela me escolheu, eu não quero dividi-la com mais ninguém e deixo isso claro desde o início. A pessoa pode aceitar ou não essa condição. Se aceitou, então é porque estava de acordo em se manter fiel. Caso venha a me trair, considero não só aquela pessoa como uma traidora, mas também como alguém incapaz de manter sua própria palavra. É um traidor de si mesmo. E tem como admirar alguém que não consegue se manter fiel nem a ele próprio? Triste. Vil. Patético. E eu me recuso a ficar com alguém que possua tais características.

Deixo claro que não falo apenas de traição carnal, não. Ser traída sentimentalmente, como parceira, como amiga e como amor, doem muito mais do que ser traída como amante. 

Já tentei sim perdoar traição. Já tentei enxergar como “um deslize”, “uma fraqueza”, mas o depois sempre me mostrou que minhas tentativas não passavam de perda de tempo. Era apenas eu me agarrando a um passado que não existia mais. Se já existiu amor naquela relação, a traição foi a prova de que não existia mais. E porque eu deveria me esforçar tanto em perdoar e superar uma dor que me dilacerava por alguém que provou não estar disposto nem a cumprir uma simples promessa? Será que é tão difícil assim manter o pau dentro das calças? Acredito que não. 

Se aquela pessoa, sabendo que aquilo me afetaria e me magoaria, ainda assim foi capaz de fazer, então ela não vale a pena o meu esforço, o meu perdão e nem o meu tempo. Eu não a quero. E prefiro enfrentar a fossa, a dor de cotovelo, a falta que for, do que insistir em alguém que não sabe amar.

Então foi dessa forma que eu descobri que eu até posso sim perdoar uma traição, eu apenas não quero.

Mas bem, essa sou eu. Você não precisa e nem tem que pensar igual a mim. Agora você precisa descobrir por si só como funciona o seu amor (principalmente o próprio) e os seus limites. Não tenha medo. Boa sorte

Os textos deste site pertencem exclusivamente aos seus autores e estão protegidos por copyright. É proibida a cópia integral ou parcial do seu conteúdo, sem a autorização prévia do autor, mesmo que citando a fonte.

Deixe seu comentário: