[Divã DR] O que faço com a minha insegurança?

03/04/2016
Postado por Divã DR

 19cmhfu7ebpy7jpg

Da caixa de e-mail do Deu Ruim:

“Somos totalmente diferentes, 18 e 20. Aries e Libra. MPB e Sertanejo. Carente e um tanto fria. Mesmo com a pouca idade me considero alguém com, pelo menos, um pouco de experiência. Já apresentei diversas garotas a minha mãe, baixa, alta, mais nova, mais velha, da igreja, gótica, bom… Chega até ser engraçado. Mas essa é diferente. A minha primeira namorada me deixou marcas que acreditava ter deixado para trás, como o excesso de ciumes, a paranoia, querer saber onde está com quem está e querer saber com quem ela está conversando. E eu sei o quanto isso é um pé no saco para qualquer pessoa. Acho que o fato de já ter sido trocado me deixa um pouco com pé atrás, e também o fato dela (embora ela diga que não) aparentemente sentir falta do primeiro namorado dela. Faz anos que ele também a machucou e ela ainda sente um pouco isso. Eu sei como ela se sente. Estamos juntos a um tempo, ela tenta me passar todo tipo de segurança: “Eu amo você”, “Você não vai me perder”, “Eu quero só você”. E quando estou com ciumes ela tenta me convencer que não é necessário a tempestade que eu faço. Eu sou uma pessoa carente, que precisa de atenção, diferente dela eu tenho um tempo livre e mesmo cansada quando ela chega da faculdade ela arruma nem que sejam cinco minutos pra me ligar. O problema é que às vezes ela ta distante, demora a responder, as vezes demora pra dizer que me ama, porém sempre diz. Às vezes ela está próxima, enviando coisas bonitas, dizendo coisas boas, toda energia fica positiva, ela me liga, me quer perto. E às vezes ela some. Geralmente ela faz isso quando está de tpm. Eu não sei o motivo, mas quando ela se distancia por algum motivo (diz ela que se afasta pois está irritada e não quer descontar em mim) eu fico o dobro carente. E isso prejudica, fazendo-nos discutir. O meu ciumes aumenta e toda a liberdade que eu tento ter e deixar pra ela ter a dela acaba ficando apertada. Coisas como “com quem você está falando?”, “quem é esse rapaz?”. Coisas que eu achei que tinha acabado voltou nessas ultimas semanas, estou preocupado pois não quero perde-la, e a minha cabeça sempre aponta pra ela, eu necessito dela e estou com medo disso. Não medo de fazer algo como vemos em jornais, jamais, é o medo de estar amando e quebrar a cara, de novo. Ela é bem fria as vezes, isso me incomoda, mas preciso aprender a conviver com algumas coisas dela, assim como ela ta aprendendo comigo. Minha auto estima também me atrapalha, às vezes ela posta alguma foto em seu tumblr onde há um casal juntos, onde o rapaz é grande, forte, enfim… E eu, bem… Nem preciso continuar não é? Isso são coisas da minha cabeça? Eu vejo o esforço dela por mim, mas também tenho medo de me magoar de novo. Grande abraço”


 Marina responde:

Tudo o que você me contou se resume a uma só palavra: insegurança.

Você ainda é muito novo e é normal não saber como medir a insegurança para que não seja tóxica desse jeito. É um processo demorado e que talvez ainda seja necessário algumas topadas com a cabeça na parede para finalmente aprender.

Hoje você se sente inseguro com coisas inventadas pela sua cabeça. Você cria um mundo, baseado no completo nada, de neuroses e paranoias que resulta em você cobrando coisas absurdas e exageradas da sua namorada.

A menina está lá, dando o melhor dela, tentando de tudo para te mostrar que te ama e se importa com você, tentando ser feliz ao seu lado, e como você responde a isso?
Você jura de pés juntos que ela sente falta do ex.
Você briga por ela achar outros caras, além de você, bonitos.
Você cobra atenção e satisfação a cada minuto da vida dela.
Isso não está justo.

Consegue perceber o quão ridículo essas atitudes soam? Consegue perceber que essa relação, que deveria trilhar caminhos agradáveis, está indo para um buraco perigoso?

Você deveria ser o refúgio dela. Deveria ser a pessoa que ela corre sempre que o mundo parece duro demais. Deveria ser o travesseiro macio onde ela sabe que pode chorar, sorrir ou apenas descansar da vida que já é dura por si só.
E você está fazendo questão de ser justamente o oposto. Você não está sendo um alívio para ela. Está sendo apenas mais um problema, mais um estresse, mais uma parte desagradável da vida.
E não é para isso que você deveria ter entrado na vida dela.

Às vezes a nossa ânsia em não perder uma pessoa é justamente o que a faz se afastar.

As pessoas ficam umas com as outras porque querem. Ponto. Enquanto a sensação agradável durar, elas vão estar lá, mas quando a relação não mais acrescenta, quando se torna um inferno, um martírio, algo pesado, ruim e difícil, mais cedo ou mais tarde as pessoas se cansam e vão embora.

Não importa o amor que sintam, ninguém precisa e nem deve continuar em uma relação tóxica.

Para um inseguro, não existe prova de amor suficiente. Porque a paranoia não tem a ver com a outra pessoa. Tem a ver com ele mesmo.
Então a outra pessoa pode provar e demonstrar o amor e a dedicação que sente de todas as maneiras que o inseguro continuará procurando motivos para duvidar. E quando não achar nenhum, ele os inventará.

Ela nunca conseguirá tirar isso de você. Esse é um trabalho seu.

A sua insegurança é problema seu. Quem deve ter que aprender a lidar com ela é você, e não a sua namorada. Se você realmente se importa com essa menina, pare agora mesmo de jogar em cima dela algo que deve ser controlado apenas por você.

Ninguém além de você pode controlar isso. Ninguém pode se esforçar por você mesmo. Você pode ter o melhor terapeuta, o melhor grupo de budismo, os melhores conselhos dos amigos, os melhores livros de auto ajuda, que nada, absolutamente nada, vai andar na sua vida se a mudança não começar de dentro.

Não existe remédio para prendermos uma pessoa a nós. Não importa o quanto a gente cobre, exija ou vigie. As pessoas fazem o que elas querem fazer. E que bom que é assim.
Porque o amor não tem que ser imposto. Ele tem que vir naturalmente. Então a fidelidade, a atenção, a consideração, o respeito e todo o resto que vem com ele, também devem vir de forma natural.
Então não adianta você brigar, chorar, bater o pé no chão e fazer pirraça, proibir, encher o saco, gritar, fazer chantagem, mexer nas coisas dela e etc. Não vai adiantar, não vai ajudar, não vai garantir nada.

Se relacionar com uma pessoa não é uma permissão para controlar a vida dela. Esse direito não é seu e nem nunca será. Você pode namorá-la, noivar ou até casar com ela que a vida dela continuará sendo apenas dela e de mais ninguém.
Se relacionar com alguém é convidar a outra pessoa para caminhar ao seu lado com ambos respeitando a individualidade um do outro.

Seja leve. Seja tranquilo. Seja confiante. Seja a pessoa que você gostaria de ter ao lado. E assim você estará atraindo ao invés de repelindo.

Ofereça o seu melhor para ter o melhor das pessoas. E se por acaso você não receber isso de volta, paciência. Você recolhe os seus sentimentos espalhados pelo chão e segue em frente para tentar ser bem sucedido em outra casa.

Assim é a vida. Um sucessão de tentativas onde vez ou outra resulta em algum acerto.

Qual o problema em se machucar? Em sofrer? Em ter que recomeçar?
Se você cai hoje, amanhã você se levanta e continua a andar. Depois de amanhã essa dor já não fará a menor diferença na sua vida.

Olha que incrível a capacidade que nós, seres humanos temos de regeneração sentimental.
Não podemos desperdiçar com medos tão banais quanto esse.

Se machucar não é algo ruim. O machucado se regenera e a dor dele passa. Mas a cicatriz permanece ali eternamente nos ensinando valiosas lições que durarão o resto de nossas vidas.

Todo ser humano é um amontoado de memorias e cicatrizes. Tenhamos sabedoria o suficiente para transformar o passado em aprendizado e não em trauma.

Quando você começa a enxergar as decepções da vida por esse ângulo, você passa a não mais temer as quedas, mas sim ansiar pelos ensinamentos que elas trazem.

Olha, o tempo em que você perde brigando com uma pessoa que você ama, você poderia ter gasto amando-a. No dia em que vocês não estiverem mais juntos, você se arrependerá de não ter aproveitado cada segundo que tinha.

Deixe as mesquinharias para lá, elas não importam de nada. Ame em cada oportunidade que tiver e foda-se todo o resto.

Os textos deste site pertencem exclusivamente aos seus autores e estão protegidos por copyright. É proibida a cópia integral ou parcial do seu conteúdo, sem a autorização prévia do autor, mesmo que citando a fonte.

Deixe seu comentário: