[Divã DR] Eu o afastei e agora me arrependo

23/01/2016
Postado por Marina Barbieri

gaycouple1

 

Da caixa de e-mail do Deu Ruim:

“Minha história se iniciou em dezembro de 2013. Havia acabado de terminar um relacionamento de quatro anos e a última coisa que se passava na minha cabeça era me apaixonar novamente, logo eu, que acredita que cada um só encontraríamos um amor verdadeiro por toda vida.
Uma semana apos meu término, conheci o Ricardo, um menino lindo, saímos com uma amiga que nos apresentou, a noite começou tímida, mas logo, um friozinho na barriga começou.
No dia seguinte, recebi algumas mensagens dele pelo Whatsapp e a partir disso não nos largamos mais.
Era inexplicável como me sentia a vontade ao lado dele, nem vergonha de fazer o número 2 com ele por perto eu tinha. Tudo era tão natural.
O vi atravessar literalmente uma enchente e muita chuva apenas para dormir mais uma noite ao meu lado.
Andávamos de mão dada na rua, no shopping, tínhamos orgulho do nosso amor .
Dois meses depois eu descobri que estava doente, sim, foi um desespero total, inúmeros exames e consultas. Contrai um vírus que se chama HPV.
Porém, não existia culpado. Afinal, eu tive um passado antes dele, e da mesma forma ele.
Passei por uma cirurgia simples, mas que necessitava de enooormes cuidados para minha recuperação. Afinal, era uma região muito sensível.
Durante dois meses mal conseguia sentar na cama, a dor chegava a me deixar em desespero.
E sabe, o Ricardo estava ali, não saiu do meu lado em nenhum instante, me ajudou em todo o processo de recuperação, dos exames de sangue que nos aterrorizavam tanto, o medo da aids existia, não me envergonho.
O que quero ressaltar é o companheirismo desse menino, o amor e orgulho que ele sentia em me ter ao lado dele, a todas as formas que ele inventava para me agradar.
Tem gente que não acredita em príncipes encantados. Mas foi isso que ele foi, de cavalo branco e tudo.
Infelizmente eu me perdi, não soube lidar com tantos problemas. Eu estava fazendo tratamento com o roacutan, me achava feio, e eu não queria estar feio pra ele. Eu sabia que era só ter paciência que tudo iria melhorar.
Pode parecer egoismo, mas naquele momento estar com ele e não o fazer feliz como queria, me fez abrir as janela e pedir pra ele voar.
As últimas palavras dele para mim foram ” pensei que fossemos construir uma família, você era o homem da minha vida. Antes de te conhecer não tinha a mínima ideia do que era o amor”
Um mês apos nosso termino, a saudade era cruel.
Porém nada foi mais cruel que ele e suas palavras.
Por meses e mais meses fui atrás dele, falei, chorei, me humilhei, chegamos a transar *( não foi amor, foi sexo). Não houve beijo, carinho e olho no olho.
Eu não desisti, e ainda tentei por outras vezes.
Depois de 7 meses, o liguei chamando para me acompanhar a medica que me operou, ele aceitou. Por ironia ou destino, 10 minutos da consulta, a secretária da medica, liga desmarcado. Viemos para meu apartamento, e eu vi aqueeeele brilho nos olhos dele, o sorriso, o meu puruco estava de volta.
Disse do amor que nunca deixou de sentir mas não conseguia voltar a ser meu namorado. Tentei ser amigo dele, mas não conseguimos também.
Desisti de ir em busca dele, lutei tanto. Hoje tem quase 2 anos do nosso “fim”. Ele não me cumprimenta, me excluiu das redes sociais.
Ontem mesmo nos esbarramos, um sentimento que aperta, o amor não mudou.
Não quero parecer infantil, mas sinto um elo que nos une de uma forma tao inexplicável.
Sinto que mesmo na ausência, no silêncio, alguma forma de amor entre nós ainda queima.
Minha fé e esperança está em um encontro que acredito que irá acontecer. Ainda não sei como. Apenas sinto.”


 Marina responde:

Você passou por uma fase bem complicada na sua vida. O recém término de um namoro longo, a cirurgia de HPV, o medo de AIDS a cada exame de sangue e o Roacutan (que possui diversos efeitos colaterais, inclusive alteração de humor) justamente na mesma época em que se envolveu com o rapaz. Você não conseguiu retribuir a altura tudo o que ele fez por você.
E relacionamento é dedicação. Um faz pelo outro. Não dá para o esforço ser unilateral.

Entendo, e tenho certeza que ele também entendeu na época, que você precisou ajeitar a sua vida pessoal e botar a cabeça no lugar. Afinal, foram muitos acontecimentos ao mesmo tempo.
Mas ele estava envolvido contigo e esperava certas coisas de você. Então não quer dizer que por ele ter entendido, ele sofreu menos.
Pelo contrário. Parecia que ele estava apaixonadíssimo, e coitado, deve ter sofrido horrores quando viu que toda a dedicação e amor que ele depositou na relação não foi suficiente para vocês ficarem juntos.

O gosto da rejeição quando se está no topo é muito amargo. Ele teve que engolir isso no seco.
Não deve ter sido fácil.

Não importa o motivo que levou você a acabar o relacionamento. Isso não diminui a dor da outra pessoa. Dói igual.
Ele teve que se reconstruir, que se curar, que se levantar novamente e então… vida que segue.
Ele fez exatamente o que você o pediu que ele fizesse: seguiu com a vida dele.

Não adianta depois você se arrepender e querer recuperar o que o outro lutou tanto para esquecer. Amor não tem botão liga e desliga. Ou ele queima forte ou ele está apagado no breu total.
Não dá para passar uma borracha em cima das decepções por maior que seja o pedido de desculpas.
É realmente uma pena. Não é culpa sua, não é culpa dele. Mas a vida tem disso.
As nossas ações tem consequências e temos que aprender a lidar com elas. Não dá para se arrepender depois e querer que tudo volte a ser como era.

A consequência de você o ter empurrado para longe foi a que ele de fato foi para longe. Simples assim.

Talvez ele também tenha sentido vontade de reviver o amor, a paixão, mas talvez simplesmente não tenha acontecido. Talvez o fogo tenha morrido definitivamente dentro dele.
Ele teve que te esquecer. E talvez tenha conseguido.

Acredito que ele tenha se distanciado totalmente e inclusive te deletado das redes sociais pois te ver, mesmo que pela Internet, o faça relembrar da rejeição que sentiu.
E isso não é controlável. Então não lhe restou outra saída senão te deletar por completo da vida dele.

Eu sei que não é isso o que você queria, mas fazer o que se foi isso o que acabou acontecendo?

Esse elo que você sente é apenas a sua esperança falando mais alto. É apenas a sua vontade em acreditar que talvez ainda haja um futuro para vocês. De se agarrar num fiozinho fino e frágil de fé.
E a fé nada mais é do que a crença, sem motivos, sem provas, apenas pela vontade de acreditar.
Você acredita porque quer acreditar. Porque não há nada que ele tenha feito que te dê motivos reais para crer numa futura reconciliação.

Não estou dizendo que uma reconciliação é impossível. O futuro não pertence a nós. Pode ser que sim, pode ser que não.
O que estou dizendo é que você não deve esperar nada.
Não espere que algo aconteça. Não fantasie. Não idealize.
As chances de você se frustrar são gigantescas.

O que estou dizendo é para você também seguir a sua vida.
O amanhã, deixa para amanhã.
E o que tiver de ser, será.

Os textos deste site pertencem exclusivamente aos seus autores e estão protegidos por copyright. É proibida a cópia integral ou parcial do seu conteúdo, sem a autorização prévia do autor, mesmo que citando a fonte.

Deixe seu comentário: