Copo de Sal

09/05/2017
Postado por Denis Araujo

Quero beijar tua boca de sal. Quero beijar teu lábio inferior e sentir teu gosto por inteiro. Quero te tomar feito um copo, que transborda em meu rosto, me cai pelos ombros e percorre a linha das minhas costas. Quero nadar na piscina dos teus olhos, percorrer o caminho do teu queixo ao teu umbigo e me perder entre as curvas de sua poesia.

Quero beijar tua boca de sal. No frio que cerra a cortina de outono do meu quarto, quero morar no calor da sua pele. Que o relógio pare no segundo em que meus dedos tocam seu rosto, no minuto em que meu peito encontra o seu, na hora em que meu quadril encaixa com o teu e no dia de nunca mais esquecer de ti.

Quero beijar tua boca de sal. Que tua boca me persiga, me percorra, me encontre e se perca em mim. Que apague a luz, que caminhe sem mapa, só pelo tato, pelo fato e pelo ar. Quero que perca o ar. Que nos cinco sentidos do teu sentir, saiba que te sinto em mim e te quero aqui sempre.

Quero beijar tua boca de sal. Quero invadir teu eu, ser teu e cantar pra ti. Quero montar nas palavras que sussurrar no teu ouvido só para ver o arrepio percorrendo teu pescoço e descendo pela subida do teu prazer. Quando chegar lá em cima, te dou um para-quedas para que salte e caia em cima de mim. Te acomodo, te encaixo, te absorvo e te enlaço. Feito amante, feito amado, amarrado, desconsolado, sereno, intenso, impulsivo e imperativo. Vá e faça.

Porque enquanto beijo tua boca de sal, tu salgas o céu da minha boca, estrelado, sem nuvens, sem medos, sem frescuras e sem máscaras. Sem torrões de açúcar, sem limão azedo. Só sal. Teu amor. No mais salgado de todos os mares. No mais amor de todos os amores.

Os textos deste site pertencem exclusivamente aos seus autores e estão protegidos por copyright. É proibida a cópia integral ou parcial do seu conteúdo, sem a autorização prévia do autor, mesmo que citando a fonte.

Deixe seu comentário: