A teoria da pessoa Uau

29/11/2014
Postado por Marina Barbieri

yellow umbrella

Não acredito em amor a primeira vista, mas acredito piamente que nossa sensibilidade para com os outros é tão aguçada, que no primeiro contato, no primeiro “olá”, é fácil se encantar, tremer nas bases e saber que aquela pessoa, mesmo ainda sendo apenas mais uma pessoa igual a qualquer outra, tem potencial para algum dia ocupar todo o seu coração, ou na pior das hipóteses, quebrá-lo em 27 pedacinhos.

Uma pessoa Uau é aquela que depois do primeiro contato, da primeira conversa, do primeiro beijo, te faz chegar em casa, se jogar no sofá da sala e emitir um sonoro “UAU!”. E aí não importa se a linda deixou derramar toda a cerveja na sua jaqueta nova ou se o lindo te queimou sem querer com o cigarro, porque ela/ele é uma pessoa Uau, e todo o resto pouco importa agora. Na verdade, os defeitos de uma pessoa Uau são o que a tornam ainda mais Uau. Quanto mais humana ela se mostrar e mais suscetível a falhas e defeitos, mais você sabe que aquela pessoa além de Uau, é possível, é atingível.

Você pode perder de vista a sua pessoa Uau na próxima esquina, sim, isso pode acontecer, mas você também pode começar uma caminhada junto com ela, e essa chance, essa possibilidade completamente real, te fazem querer ser Uau para ela também. E então você começa a academia na segunda, se inscreve naquele curso que sempre quis mas tinha preguiça, começa a se alimentar melhor, larga o cigarro, muda de emprego, doa pra caridade. A característica básica de uma pessoa Uau é que só o fato dela existir já é o suficiente para te fazer querer ser alguém melhor.

Uma pessoa Uau é o que chamamos de química, feeling, é aquela pessoa que parece ter um ímã que atrai suas mãos, seus olhares, seus pensamentos. Tudo lembra ela, tudo cheira como ela, tudo é ela. Depois que você encontra uma pessoa Uau, todo o resto do mundo parece irremediavelmente desinteressante.

Encontrar uma pessoa Uau é não se importar com mais nada, é esquecer dores passadas, é não ter medo, é voltar a ter 15 anos, é levantar do chão, sacudir a poeira da roupa já encardida e não ver a hora de poder recomeçar, porque como você poderia deixar uma pessoa Uau, talvez a mais Uau de todas, tão Ualíssima, escapar? Você não pode. Você não consegue. Você não quer. E se você deixar escapar, é sinal de que aquela pessoa não era Uau. Uma pessoa Uau nunca deixa dúvidas. Só certezas. Muitas delas.

E não importa o que o amanhã reserve. Não importa se você vai ficar ou não com a sua pessoa Uau, porque ela é como um remédio. Ela te cura, ela te dá forças, ela te faz enxergar melhor, ela te faz acreditar que tudo é possível. E isso já será o suficiente para fazer ter valido a pena. Mas se a vida te sorrir e você ficar com a sua pessoa Uau, aqui vai um conselho: Seja o mais Uau de volta que conseguir.
Um dia você vai me agradecer por esse conselho.

Se a montanha foi até Maomé, eu não tenho dúvidas de que era porque Maomé era a pessoa Uau da montanha.

Os textos deste site pertencem exclusivamente aos seus autores e estão protegidos por copyright. É proibida a cópia integral ou parcial do seu conteúdo, sem a autorização prévia do autor, mesmo que citando a fonte.

Deixe seu comentário: